Secretaria de Educação fornecerá merenda para crianças carentes da rede municipal de ensino

Foto: Tavisson Esteves

O Governo Municipal, por meio da Secretaria de Educação e Formação Profissional (Smed), atendendo um pedido da Câmara de Vereadores, informou que está trabalhando para, em julho, distribuir merenda em forma de marmita para crianças carentes, principalmente os alunos em vulnerabilidade de segurança nutricional: os que possuem restrições nutricionais especiais.

A ação tem o nome de ‘Merenda em Casa’ e os almoços serão produzida pelas merendeiras, todas com equipamentos de proteção individual (Epi’s), nos refeitórios da próprias escolas onde os alunos estudam, mesmo local onde deve ser retirado o alimento pelos pais das crianças que devem levar o recipiente onde será colocada a comida. A Smed informa que na data em que for iniciado o serviço, o horário de funcionamento será das 10h ao meio-dia.

A atividade está sob responsabilidade do setor de nutrição escolar que destaca que serão comprados, preferencialmente, alimentos de pequenos hortifrutigranjeiros da região para incentivar esses produtores e a economia local que tiveram baixa nas vendas durante a pandemia. Inclusive, os alunos receberão frutas.

“A maioria dos alunos da rede municipal de Bagé são de renda baixa e esta alimentação auxilia as famílias, por isto estamos trabalhando para garantir o fornecimento dessas merendas para que as crianças levem para casa enquanto as escolas estão fechadas devido ao combate ao Coronavírus”, destacou o prefeito Divaldo.

A secretária de Educação, Adriana Lara, afirma que esta oferta de alimentos aos alunos é de suma importância para a segurança alimentar de milhares de crianças. “Vamos iniciar uma ação que apenas um seleto grupo de cidades está fazendo. É nosso dever, como gestão pública educacional, trabalhar para encontrar meios de continuar ofertando segurança e conforto para os estudantes, com a ajuda de ideias e a vontade de fazer acontecer para estas famílias carentes”, explicou a titular da pasta.

A nutricionista Milena Dutra, integrante do setor de de nutrição, fala sobre a ação. “A universalidade do atendimento é uma das diretrizes do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e deve-se garantir, mesmo neste momento de suspensão de aulas, o direito à alimentação a todos os estudantes atendidos nas escolas públicas”, ressaltou a profissional.

O coordenador do setor, Maique Lemos, conta que as escolas terão a total possibilidade de dar início a esta nova ação. “Nossas merendeiras ganharam Epi’s novos no ano passado, os estoques do setor de nutrição estão seguros e o fornecimento para a feição dos almoços está assegurado. Estamos trabalhando muito e tudo dará certo”, garantiu.