Prefeitura de Bagé tem serviço de tratamento específico para hepatite

Foto: Paulo Batista

Apesar de ainda vivenciarmos a pandemia do novo coronavírus, nesta terça-feira (19) é o Dia Mundial de Combate às Hepatites Virais. A data reforça a importância dos cuidados com essas doenças. De acordo com o Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde, o Rio Grande do Sul apresentou, em 2018, um aumento no número de novos casos de hepatites virais registrados.
Ao todo, 7,6 mil pessoas foram diagnosticadas com hepatite A, B ou C, um número 14,4% maior em relação a 2017. Entre os tipos, o com maior registro no Estado é o C que teve mais de 5,8 mil novos casos ano passado, a maior causadora de mortes entre as hepatites virais.

O Serviço de Atenção Integral à Sexualidade (SAIS), da Secretaria de Saúde e Atenção à Pessoa com Deficiência, é responsável pelo atendimento e tratamento, pela rede pública de Bagé, de todos os pacientes portadores de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST’s) e Hepatites. No local, são oferecidos testes rápidos para diagnosticar essas doenças onde, em 20 minutos, o laudo é emitido. Os testes também podem ser feitos em todas unidades de saúde que, ao verificarem o resultado positivo, encaminham os pacientes para essa unidade de referência.

De acordo com a coordenadora do SAIS, Luciane Cassão, não há fila de espera para consultas, assim que o paciente procura pelo serviço já é encaminhado para o atendimento médico. “A melhor medida de prevenção contra a hepatite A é higienizar sempre as mãos após utilizar o banheiro e antes de se alimentar, além de beber água e consumir alimentos de procedência confiável. Já os cuidados para se evitar as hepatites B e C são o uso de preservativos nas relações sexuais, não compartilhar seringas ou material perfuro cortante (alicate de cutículas, por exemplo)”, explica Luciane. A técnica de enfermagem e responsável pelo acompanhamento de pacientes com diagnóstico de hepatite, Vera Regina Ribeiro, conta que para essa enfermidade o processo é um pouco mais complexo, pois os pacientes precisam passar por um protocolo de 2019 exigido pelo Ministério da Saúde, que inclui desde exames confirmatórios para saber a situação do vírus no organismo até a realização de biópsia, onde o clínico consegue ter ciência da situação do fígado. A assistente social, Ane Madruga Vaz, relata que o serviço realiza o trabalho de acolhimento dos pacientes e também familiares, oferecendo  o suporte necessário para o enfrentamento da doença.
A coordenadora  Luciane ainda relata que a equipe realiza ações rápidas e eficazes e conta que já está sendo elaborada a programação do Julho Amarelo, mês de conscientização e prevenção às hepatites virais.
O posto do SAIS está localizado na rua Bento Gonçalves, nº 430 E, funcionando das 8h às 12h e das 13h30min às 17h30min. Mais informações pelo telefone (53) 3241-3384.