Covid-19 em Bagé: Prefeito Divaldo Lara comemora casos recuperados e nenhum óbito no município

Foto: Paulo Batista

No dia 19 de março, Bagé se viu no centro das atenções ao confirmar os dois primeiro casos confirmados de Covid-19 na Rainha da Fronteira. Com o caso zero sendo da saúde, a preocupação foi ainda maior. A medida que o tempo passava, os confirmados só aumentavam. Há uma semana de completar 60 dias do início da contaminação, o Prefeito Divaldo Lara e o secretário de Saúde de Atenção à Pessoa com Deficiência, Mário Mena, comemoraram os números atuais e as medidas acertadas para freiar o avanço da doença no município.

Em coletiva realizada nesta segunda-feira (11), Divaldo e Mena destacaram os primeiros testes rápido realizados na população de Bagé, trabalho efetivado com a Universidade Federal do Pampa (Unipampa). O secretário explicou que o município foi dividido em 40 zonas, onde foram realizados 400 testes no total, escolhidos através de sorteio. Destes, apenas uma pessoa atestou positivo para o Coronavírus, mas já está recuperada e tem ligação com instituição de saúde de saúde, onde ocorreu o primeiro caso. Com esta mesma dinâmica, serão repetidas mais três etapas, a cada 15 dias, totalizando 1600 pessoas testas. A margem de erro é de 1,8%

“Somos a única cidade do Rio Grande do Sul e do Brasil que teve a iniciativa de uma pesquisa própria, idealizada pelo próprio Governo Municipal. As demais que estão realizando são com atuação do Estado ou do Governo Federal”, explicou o chefe do executivo destacando que pessoas de todas as faixas etárias e classes sociais estão contemplados, sem distinção alguma.

Mena lembrou que Bagé chegou a ser a primeira colocada do interior, a primeira do RS pela proporcionalidade da população e a 10ª do Brasil em casos confirmados de Covid-19 e que ações realizadas pela gestão municipal desde o primeiro dia proporcionaram a queda de posições. “Temos que manter uma série de prevenções já praticadas atualmente para que a pandemia não retorne para uma situação preocupante, portanto a população deve seguir utilizando máscara e evitando aglomerações, além de proteger as pessoas dos grupos de risco”, garantiu o secretário.

O Prefeito ainda noticiou o retorno das barreiras sanitárias, principalmente para veículos que chegam na cidade: “Deixamos de ser uma cidade contaminante, mas também precisamos evitar de sermos contaminada por pessoas que venham de outros município”, disse o chefe do executivo elogiando o trabalho feito pelas equipes da Prefeitura nas atuações. “Temos muito orgulho no empenho de todas as partes que colaboraram para que não tenhamos nenhum caso, atualmente, em Bagé. Lembrando também que não tem nenhuma pessoa na UTI, nenhum respirador está ligado e não ocorreram óbitos”, comemorou.

Nesta terça-feira (12), um decreto, com novas medidas, deve ser divulgado pelo Governo Municipal refente a diversos segmentos, como bares, lancherias e restaurantes podendo funcionar até 24h.

Pesquisa de satisfação atesta aprovação ao Governo Municipal
Divaldo também informou que uma pesquisa foi realizada no centro de Bagé, com a população, para saber a satisfação dos bageenses referente à atuação da Prefeitura no combate ao Coronavírus. Os números apresentados foram os seguintes: 83% da população considera ótimas ou boas as atuações do município. Os que consideram regular são 13%. Por fim, apenas 4% avaliaram como ruins ou péssimas as ações.

Recursos para o combate à Covid-19
Questionado quanto a utilização dos R$ 15,4 milhões, que o Governo Federal disponibilizou para Bagé, o Prefeito explicou que, deste valor, R$ 14 milhões serão utilizados como recursos livres da Prefeitura para diminuir os prejuízos causados pela queda na arrecadação. A folha de pagamento foi um dos itens citados por Divaldo como segmento a ser aplicado o valor. Os restante será utilizado na saúde.

“Este recursos corresponde a 3% dos gastos que temos. É um valor que nos ajuda muito, embora não sane os problemas financeiros sofridos pelo município”, esclareceu.

Comparativos de atendimentos com síndromes gripais em 2019 e 2020
Mena também apresentou na coletiva números de síndromes gripais no mesmo períodos entre 2019 e 2020.

Em 2019, em março, 138 pessoas atestaram estas condições, enquanto em 2020 foram 189. Após as medidas de proteção e o uso de máscaras pela população, há uma queda em relação ao ano passado no mês de abril. Em 2019 foram atendidas 171 e em 2020 foram 112. Estes números correspondem às Unidades Básicas de Saúde (UBS).

Já na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), os números são os seguintes. Em 2019, no mês de março, 759 foram atendidas e em 2020 foram 1131.
Em abril de 2019, os casos foram 937 e, neste ano, houve uma queda considerável para 411.

Além do uso de máscaras, outro motivo para considerar a diminuição dos números, está a vacinação de 111% da meta de idosos da cidade e 102% da meta de profissionais da saúde. Também deve se considerar a imunização de motoristas de caminhões que passaram pelo município e a aplicação de vacinas em pessoas que trabalham com o comércio.

“Somos a única cidade do Brasil que vacinou os comerciantes e comerciários”, afirmou Divaldo.