Reunião trata sobre a Campanha do Agasalho 2020

Foto: Aline Sabedra

A Prefeitura Municipal de Bagé, através do trabalho voluntário da primeira-dama e com apoio da Secretaria de Assistência Social, Habitação e Direitos do Idoso (Smasi), realizou, nesta quarta-feira (6), reunião sobre a Campanha do Agasalho 2020. O encontro contou com as presenças do secretário da Smasi, João Pedro Finger; chefe de gabinete da Secretaria, Aline Moreira; coordenador da campanha, Marcus Gularte; representante da primeira-dama Priscila Fischer Lara, Vitor Garcia; representante do gabinete do prefeito Divaldo Lara, Marília Sabedra e coordenadora de Comunicação e Memória, Indiara Deamici.

O foco deste primeiro momento girou em torno de ações da campanha neste ano, levando em consideração a pandemia ocasionada pela circulação do Coronavírus e o estado de calamidade atual, tendo a consciência da necessidade que as famílias têm de receber estes materiais com a proximidade do inverno. Para isso, é necessário organizar dinâmicas diferenciadas em dois pontos principais: arrecadação e distribuição dos agasalhos de forma preventiva, evitando a aglomeração e circulação de pessoas em um único espaço.

A campanha, neste ano, acontece de 23 de maio até 20 de junho, que é o período de arrecadação, tendo o dia 23 como “Dia D”. Concomitante a isso, as entregas das roupas já estarão sendo realizadas com a ajuda dos agentes comunitários de saúde, que têm a ação fundamental nas suas unidades básicas. Uma das novidades é que o “Dia D” que acontece dia 23 e vai ser realizado através do sistema drive thru, no Centro Administrativo, por uma proposição do coordenador da campanha. “Todos os cuidados de prevenção do Coronavírus serão tomados. As roupas serão recebidas e de imediato acondicionadas em sacos, para que fiquem pelo menos 15 dias, numa espécie de quarentena”, relatou Finger.

“A Smasi mantém roupas armazenadas que são doadas durante todo o ano, entre estas, muitas peças de verão, mas que são doadas para famílias que necessitam, durante, praticamente, os doze meses que sucedem a campanha. São famílias que se encontram em situação de vulnerabilidade e precisam ser atendidas. Manteremos o foco da campanha em dois pontos essenciais e, ao mesmo tempo, deficitários, que são roupas para crianças e cobertas. Estas que temos maior necessidade, visto que as roupas são extremamente importantes, mas uma coberta aquece uma família e sabemos o quão nossas noites são frias e a importância de nos mantermos aquecidos neste momento de repouso”, salientou Gularte.