Homologada lei que garante piso nacional aos agentes de saúde

Prefeito anuncia pagamento retroativo

Um grande ato marcou, na manhã de ontem, a assinatura da homologação da lei que regulamenta o piso nacional dos Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate a Endemias. Participaram da atividade vereadores, autoridades, comunidade e os profissionais, que comemoraram a conquista histórica para o município.

O secretário municipal de Saúde e Atenção à Pessoa Idosa, Mário Mena, destacou a importância do ato. “É mais uma conquista, assim como a diminuição do índice de mortalidade infantil, que despencou, com registro de zero em janeiro e um em fevereiro”, apontou, lembrando outras melhorias. “Vamos comemorar cada vez mais conquistas”, garantiu o gestor.

 

O prefeito Divaldo Lara apontou, na oportunidade, outras importantes recentes realizações do governo, como a renovação da frota da saúde, a inauguração da Casa de Hospedagem. “Cada um deve ajudar no crescimento dessa cidade que amamos”, disse, pedindo também uma salva de palmas para todas as pessoas que lutaram pelo piso da categoria, inclusive aquelas que não estão mais na prefeitura.

Divaldo ressaltou também as dificuldades enfrentadas por muitos municípios, fazendo um comparativo com a situação local. “Bagé com muito otimismo está conquistando importantes melhorias”, disse.

De forma inédita, o prefeito anunciou que vai pagar o piso retroativo a janeiro deste ano, tirando aplausos dos representantes da categoria. Divaldo disse, ainda, que está trabalhando diretamente na captação de novos recursos para a cidade. “Com o trabalho que estamos realizando, Bagé caminha no rumo certo. Quando sair dessa cadeira, vou sair com orgulho dela”, afirmou.

Divaldo ressaltou também que a luta pelo piso da categoria teve início há alguns anos, quando ainda era vereador.

Para a assinatura da lei, ele convidou alguns profissionais que estavam presentes no ato. “Já estávamos há um bom tempo buscando a valorização da categoria. Nossa profissão é uma luta diária. Este incentivo é muito importante para desenvolver o trabalho que, hoje em dia, vai além da saúde”, comentou Dálvaro Ferreira, 39 anos, agente de saúde há dez.

Já Josiane Mesquita, coordenadora dos agentes de saúde, lembrou que a mudança representa não apenas valorização financeira e sim um incentivo mais que merecido.

O agente de combate às endemias, Roberto Aiub, de 40 anos, na profissão há dez, destacou que o aumento vai proporcionar melhores condições de vida, mais estímulo para trabalhar o que irá refletir diretamente na qualidade do serviço. “Foi uma batalha longa, de cerca de três anos”, reiterou.