Prefeitura apoia reivindicações dos produtores de leite

Foto: Denildo Miranda

Na manhã desta quinta-feira (10), um grupo formado por dezenas de produtores de leite de Bagé e região se reunião em frente à Câmara de Vereadores. A categoria tem uma série de reivindicações para fazer e solicitou apoio da Casa Legislativa bageense e do Governo Muncipal para que os pleitos sejam levados à Brasília e Porto Alegre, já que os pedidos cabem ao Estado e União.

Com o slogan “A vaca está secando, não deixe a vaca morrer”, as solicitações são, de acordo com o produtor Armando Otte, as seguintes: a suspensão da importação de leite e derivados de países do Mercosul e fixação de preço mínimo do leite, que hoje varia de R$ 0,67 a R$ 1,80. Outros importantes pedidos são redução do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias (ICMS) na conta do produtor e melhorias nas estradas e acessos aos locais.

“Atualmente, só sabemos 45 dias depois de enviar o leite para indústria qual será o valor que iremos recebemos, por isso queremos a fixação. Além disso, não há necessidade de vir o produto de Uruguai e Argentina, pois o leite produzido no Rio Grande do Sul é suficiente para abastecer todo mercado interno”, garantiu Otte.

O secretário de Desenvolvimento Rural, Cleber Zuliani Carvalho, concorda com a manifestação. “Fomos convidados a participar e somos favoráveis às solicitações. Os produtores de leite colaboram com a economia de município e é justo que o Governo Municipal esteja ao lado da classe”, afirmou.

O prefeito Divaldo Lara, que ainda este mês tem agendas na capital nacional, também se colocou à disposição do grupo. “A manifestação dos produtores é legítima e iremos trabalhar juntos para que as pautas sejam discutidas e atendidas”, falou.

O presidente da Câmara, Esquerda Carneiro, também vai apoiar a causa. Uma moção de apoio foi redigida e será assinada pelos vereadores bageenses.