Smasi busca melhorias para assistidos das Casas de Acolhimento

A Secretaria de Assistência Social, Habitação e Direitos do Idoso (Smasi), através da Coordenação de Proteção Especial de Média e Alta Complexidade, promoveu nesta quarta-feira (13) na Casa do Adolescente, uma reunião para debater a construção do Projeto Político de Pedagogia (PPP), que vai ser aplicado na Casa do Guri e na Casa do Adolescente.  O programa tem o objetivo de definir a identidade dos caminhos a serem seguidos para a qualidade de vida das crianças e adolescentes atendidos nessas Casas de Acolhimento.
O encontro que foi o primeiro para tratar do tema, contou com a presença da coordenadora da Proteção Especial da Smasi, Lisandra Lucas; da supervisora da Casa do Guri, Marília Centeno; da assistente social, Fernanda Ferreira Soares e da supervisora da Casa do adolescente, Isabel Domingues.
Lisandra salientou que outro plano foi inserido nessa nova gestão do governo municipal, o Plano Individual de Atendimento (PIA), que busca práticas que atuem sobre os aspectos pessoais e sociais da vida dos assistidos, para, a partir delas, alterar o curso de suas trajetórias de vida.
As palavras que compõem a sigla PPP, dizem muito sobre o documento: é um projeto porque reúne propostas de ação concreta a executar durante determinado período de tempo; é político por considerar as casas de acolhimento como um espaço de formação de cidadãos conscientes, responsáveis e críticos, que atuarão individual e coletivamente na sociedade, modificando os rumos que ela vai seguir; é pedagógico porque define e organiza as atividades e os projetos educativos necessários ao processo de ensino e aprendizagem.
Conforme a coordenadora da Proteção Especial, ao juntar as três dimensões, o PPP ganha uma força guia, que é aquela que indica a direção a seguir não apenas para os gestores, mas também funcionários, beneficiários e famílias. “Ele precisa ser completo o suficiente para não deixar dúvidas sobre essa rota e flexível o bastante para se adaptar as necessidades dos usuários. Estamos trabalhando para oferecer padrão no atendimento das Casas de Acolhimento do município”, finalizou Lisandra.