Bagé inicia primeira etapa de cadastramento para novos residenciais 

Maior programa habitacional da história de Bagé, com 1164 moradias conquistadas
Foto: Rodrigo Sarasol

As inscrições para as 1164 novas moradias pelo programa Minha Casa Minha Vida destinadas às famílias com renda de zero a R$ 1,8 mil reais e conquistadas pela Prefeitura de Bagé em junho do ano passado, ocorrerão em várias etapas neste primeiro semestre de 2018. De acordo com o secretário municipal de Assistência Social, Habitação e Direito do Idoso (Smasi), Carlos Adriano Carneiro, a primeira delas deve ser o cadastro no CadÚnico. “Para inscrição no sorteio dos residenciais é imprescindível que o interessado tenha registro no CadÚnico. Quem ainda não possui, deve fazê-lo até o final deste mês. Quem já tem, deve atualizar seus dados”, explica. Desde o início do mês até o momento, já foram registradas mais de mil cadastros.

Em junho de 2017, Bagé foi selecionada para receber o maior número de moradias da história do município. Entre todas as cidades do Rio Grande do Sul, a Rainha da Fronteira foi a única contemplada a receber 1164 novas moradias populares. Segundo o gerente da área de engenharia da Caixa, Paulo André de Abreu Alves, a ação aconteceu depois de um longo tempo sem contratações nesta faixa de renda. “Nos outros estados do Sul, os empreendimentos foram distribuídos entre várias cidades. No Rio Grande do Sul ocorreu uma concentração de todas as destinações só para Bagé, foi atípico”, observa. Para Alves, a qualidade dos projetos apresentados pelo Governo Municipal foi determinante para a escolha. “Serão empreendimentos mais bem inseridos na malha urbana e esse era um dos critérios analisados pelo Ministério das Cidades. O estado adiantado dos projetos e os empreendimentos localizarem-se em áreas menos carentes, perto de escolas e asfalto, foi o que contribuiu para esta conquista”, afirma.
As moradias serão divididas em quatro empreendimentos, dois loteamentos de casas e outros dois de apartamentos. Serão construídas 564 casas no bairro Morgado Rosa (Zona Leste), e outros 600 apartamentos na Zona Norte. O investimento será de cerca de R$ 83 milhões de reais.
O prefeito Divaldo Lara destaca que esta foi uma das melhores notícias do ano para a cidade, pois foi o maior número de vagas disponível à população de baixa renda da história de Bagé, dentro deste programa habitacional brasileiro. “Com esta vitória, o município atingirá parâmetros de redução de déficit habitacional nunca antes vistos. Estamos contemplados com o maior investimento em habitação de todos os tempos. Um recorde para nossa gestão, que melhorará a qualidade de vida de milhares de pessoas, além de significar uma injeção de recursos na área da construção civil, geração de emprego e renda”, finaliza.
Cadastramento
 
Foto: Rodrigo Sarasol

A sede da secretaria, localizada na avenida São Judas, 796, no Complexo Km 21, está aberta das 8h às 13h, de segunda à sexta-feira, sem fechar ao meio dia, para atendimento ao público. “É necessário levar documento de Identidade e CPF de todos os moradores do grupo familiar e o comprovante de residência de onde vivem. É um cadastro auto declaratório que gera uma folha resumo, necessária para a inscrição nos residenciais, e também o Número de Identificação Social (NIS), para o controle do Ministério das Cidades”, observa Carneiro, que alerta também que o CadÚnico não é inscrição para receber o benefício, mas sim para controle e andamento do processo. O segundo passo, que deve ocorrer entre fevereiro e março, será o cadastramento na habitação. “Todo esse trabalho faz parte do Plano de Trabalho Técnico Social que já consta na documentação dos residenciais”, finaliza.

A dona de casa Sandra Regina Rodrigues Silveira está tentando, pela segunda vez, realizar o sonho da casa própria. “No momento, eu vivo em um imóvel cedido. Ter meu próprio imóvel vai resolver muitos problemas e realizar um grande sonho. Quero um lugar sossegado pra morar”, afirma. É importante salientar que, além de atender ao limite de renda de R$ 1,8 mil por grupo familiar, o interessado não pode ser dono ou ter financiamento de imóvel residencial; ter recebido benefício de outro programa habitacional do Governo; estar cadastrado no Sistema Integrado de Administração de Carteiras Imobiliárias (SIACI) e/ou Cadastro Nacional de Mutuários (CADMUT); ter débitos com os Governos Federal e Estadual ou seja, Caixa Econômica Federal, Banrisul, Banco do Brasil e Receita Federal.
Preparativos
 
Em novembro, a Prefeitura de Bagé começou a obra de asfaltamento da rua Breno José Coronel Machado, no bairro Morgado Rosa, que faz parte da preparação do município para receber um dos residenciais. A via, que inicia na avenida Leonel Brizola (ao lado do ginásio Mosquitão), vai dar acesso aos futuros 564 imóveis que serão construídos neste bairro pela empresa Michelon Construtora e Incorporadora, dentro do programa Minha Casa Minha Vida. Serão asfaltados 800 metros e a previsão é que seja entregue em dez dias, exceto, em caso de mau tempo.
Morador do bairro há 23 anos, o líder comunitário, Manoel Antônio da Silva, falou sobre a movimentação das máquinas da Prefeitura na rua. “Desde que vim morar aqui, batalho por melhorias. O Morgado Rosa estava sacrificado, mas agora só tenho a agradecer por este trabalho dos funcionários que a gente vê que são dedicados e fazem com carinho”, relata.