Sais alerta para aumento de casos de sífilis

A coordenadora do Serviço de Atenção Integral à Sexualidade (Sais), Eliziane Foletto, informa os preocupantes dados dos testes rápidos para sífilis realizados entre dezembro e janeiro na unidade. Dos 135 testes realizados neste período, 24 confirmaram ser reagente para sífilis. Acredita-se que o número seja maior, pois se um dos parceiros está infectado, provavelmente o outro também esteja. O principal motivo do aumento de casos é a falta de uso da camisinha.

A doença infectocontagiosa, causada por uma bactéria, é indolente, se apresenta através de uma lesão com remissão espontânea, indolor e que, às vezes, passa despercebida. A transmissão ocorre, basicamente, durante a relação sexual ou de mãe para filho, pelo sangue, durante a gravidez. Isso pode ocorrer em qualquer fase da gravidez e em qualquer estágio da doença.
Pelo número de pessoas testadas, o índice apresenta-se elevado e sabe-se que quando se tem DST’s fica suscetível a outras (HIV, Gonorreia, HPV, entre outras). “As pessoas ainda não tem consciência da necessidade do uso do preservativo, mesmo sendo realizadas muitas campanhas”, comenta.
É uma doença de fácil tratamento e que tem cura. “A maior preocupação é com a transmissão de mulheres grávidas para os fetos. Os bebês podem sofrer malformações no sistema nervoso, perder a visão ou a audição e até mesmo morrer”, completa.
Conforme a coordenadora, os casos reagentes para sífilis recebem o tratamento no próprio Sais e dependendo da classificação clínica, as doses com antibiótico injetável variam de uma a três.
O Sais é responsável pelo atendimento e tratamento, pela rede pública, de todos os pacientes portadores de DST’s e Hepatites do município. O posto está localizado na Rua Bento Gonçalves, nº 430 E, centro, funcionando das 8h às 12h e das 13h30min às 17h30min. Mais informações pelo telefone (53) 3241-3384.