Prefeitura inicia o trabalho para desocupação das áreas de preservação permanente

Secretário da GEPLAN, Eduardo Deibler, liderou as ações às margens do arroio
Foto: Rodrigo Sarasol

A Prefeitura iniciou uma ação conjunta de desocupação de áreas verdes de preservação permanente ao longo do curso do arroio Bagé, na manhã de segunda-feira, 20, através de fiscais, assistentes sociais, engenheiros da Secretaria de Gestão, Planejamento e Captação de Recursos, da Secretaria de Meio Ambiente e Proteção ao Bioma Pampa, da Secretaria de Assistência Social, Habitação e Direitos do Idoso, da Secretaria de Segurança e Mobilidade Urbana, Secretaria de Economia, Finanças e Recursos Humanos, da Procuradoria Geral do Município e da Coordenadoria Geral da Unidade de Controle Interno e Ouvidoria, com o apoio da Brigada Militar.

Segundo o chefe de fiscalização de obras da GEPLAN, Antônio Trindade, neste primeiro momento, o objetivo é realizar uma segunda notificação aos proprietários que invadiram os espaços públicos e construíram de forma irregular, a fim de conscientizar essas pessoas para que saiam espontaneamente do local. Caso não desocupem, o poder público terá de removê-las por decisão do Ministério Público, que determina que a Prefeitura tome essas providências.
A fiscal da GEPLAN, Karen Rosa, informa que os 11 moradores notificados também receberam um chamamento para que se apresentem na Secretaria para tratar especificamente de cada caso. “A Prefeitura já detectou quem são as pessoas que vivem em situação de vulnerabilidade. Para esses, será feito um cadastramento para tentar inclui-los em programas sociais e aí fazer a sua retirada adequada”, explica a fiscal.
O trabalho deste plano piloto, como define o secretário da GEPLAN, Eduardo Deibler, se estende por toda a margem do arroio Bagé. O ponto escolhido para o começo do trabalho, ao redor da Panela do Candal, de acordo com o secretário, é uma região nobre, central, com uma importância histórica e cultural para a cidade. A próxima fase será a de limpeza e despoluição da área verde nas margens do arroio. “Vamos implantar um projeto de urbanização e de iluminação, para que a população enxergue as águas do arroio e usufrua de lazer, de prática de esportes e do convívio em família neste local”, elucida Eduardo.
Dentre os projetos apontados para a região às margens do arroio Bagé, está a instalação de um parque municipal, como opção de lazer e atividades culturais para a população.